quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Tragédia Chilena Serve de Show para a Mídia

O drama de 33 mineiros não serve para abrir uma discussão sobre a prevenção de acidentes

Passados 68 dias de enclausuramente dentro da mina e contato externos, os mineiros são resgatados em um amplo e belo trabalho realizado pelo governo chileno.

Enfim poderão ver suas famílias, amigos, caminhar pelas ruas e voltarem à rotina normal como antigamente. Mas antes de recupareram suas vidas sociais terão de lidar com a grande quantidade de jornalistas que querem saber suas histórias e, também, receberão tratamentos para se adaptarem novamente ao convívio fora da mina.

O resgate dos 33 homens (32 chilenos e 01 boliviano) é acompanhado pelo mundo todo através de rádios, jornais, sites e TV's, essa última praticamente noticia os fatos durante as 24 horas do dia.

As imagens e notícias do regaste são fantásticas e comovem a qualquer um o reencontro dos mineiros com os familiares. A mídia está presente passo-a-passo e detalha a técnica de salvamento (nunca utilizada antes) chilena para retirá-los da mina.

Porém, o que falta divulgar e que o mundo espera saber são as medidas a ser tomadas para que tal tragédia não ocorra novamente. Que medidas o governo pretende tomar? Quais ações serão realizadas pelas empresas? Quem será responsabilizado pelos danos? Quais serão as precauções para o futuro?

Essas perguntas ainda não foram respondidas e a mídia parece não querer levar essa discussão à frente. No momento, o que importa é somente vender jornais e conseguir patrocínios para as emissoras de TV ao noticiarem o resgate.

É mais fácil ganhar dinheiro às custas da tragédias dos outros do que levantar questões para prevenir problemas futuros. Infelizmente, para a mídia, o que é ruim vende e gera lucro e o que melhora fica para depois. Talvez amanhã, quem sabe...

Um comentário:

Anônimo disse...

A história deles vai virar filme, sabia? Do mesmo modo que virou filme aqueles sobreviventes de um acidente aéreo nos Andes os anos setenta que tiveram que comer a carne dos passageiros mortos.
Ivan