quarta-feira, 28 de setembro de 2011

PSD: sem votos, mas poderoso

Sem ideologia política, novo partido começa sem saber quem apoiar e com bancada própria no congresso

Por Thiago Marcondes

O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) aprovou a criação do PSD (Partido Social Democrático), fundado por Gilberto Kassab, atual prefeito da cidade de São Paulo, por 06 votos à favor e somente 01 contra.

Kassab, como está estampado na mídia, largou o DEM (Democratas) para seguir seu rumo politicamente e, consequentemente, deixou para trás seus padrinhos políticos do PSDB. Serra é um deles e não parece nada contente com o atual cenário.

O PSB não tem uma ideologia política definida e pode ser considerado um partido do "centrão", assim como o PMDB. Ou seja, sempre apóia quem está na situação (entende-se por poder) e nunca quer estar fora das tomadas de decisões.

O novo partido não faz ameaça clara à "prostituta" do congresso, conhecida como PMDB, mas já causa muitos transtornos para a oposição em Brasília. Kassab sinalizou que pode realizar alianças com o governo petista e os tucanos se incomodaram com isso. Afinal de contas, a bancada governista será maior ainda e os projetos poderão ser aprovados como em um passe de mágica.

Políticos de direita, esquerda, centro e o diabo à quatro se filiarão no PSD para conseguirem morder uma fatia dos cargos nas eleições de 2012 e o partido, ao que se parece, já nasceu forte. A ruralista Katia Abreu está nesse barco, pois ela era "tucana" e em um futuro próximo poderá estar ao lado do PT. Irônia ou destino? Eu classifico como safadeza mesmo.

O cenário político brasileiro formado no momento pode ser considerado um absurdo, pois o PSD já começa suas ações com pelo menos 49 deputados e 02 senadores (todos políticos migrados de outros partidos) e sequer teve algum voto para conseguir os assentos. Possivelmente, no próximo ano, se a aliança com o PT for efetivada pode ser que sobre uma vaga em algum ministério. O resultado disso tudo é perpetuar-se no poder sem se importar como isso acontecerá.

Thiago Marcondes é Jornalista

segunda-feira, 12 de setembro de 2011

Sao Paulo: a crowded city

The place wich will open de World Cup does not have a good traffic and transport

By Thiago Marcondes

São Paulo is one of the biggest cities around the world and has more than 11 million people living there according to statistics in 2010. The public transportation is not enough to attend the demand and avenues are so crowded with vehicles. 

A lot of people have been used their cars to go to the work and left children on school, but they do not give a ride to order person who work near their jobs. If they used to do this, the buses and subways could be less crowded than now and also would share the gas to economize money. 

Every day the traffic in Sao Paulo is worst and when it rains on the city cars do not move. The government never did something or tried to do works that would upgrade the situation. Television used to show the people’s chaos live in a public transportation or on their automobiles. 

The society was thrown away by the politicians and no one makes a protest or tries to change the situation. Always are the same things: on next elections it will vote in other politician who wants to do better works and progress to the people.

People who need to use bus or subway are smashed because the transportation is totally full. This one that has car expend a lot of time driving or waiting inside the vehicle while traffic is not good. That is enough! Something has to be done and will be done, but do you know why? It because the 2014 World Cup Brazil. 

Much money are been invested in Sao Paulo because this big event and probably the situation about traffic and public transportation will be better on the future. But the society has to understand that this buildings and works are just happening because the World Cup and not therefore politicians want it.

Think about ir: the bus’ tickets are R$ 3,00, subway’s tickets are R$ 2,90, a liter of gas is R$ 2,80 and ethanol is R$ 1,80. Almost them are expensive, but if you want use the public transportation or a car you have to pay it even with this bad situation. Have you ever imagine how much will cost these products in 2014? Neither do I, but one thing is a certainty: many businessman and politicians will be richer with all the profits and society shall be paying the price. 

Thiago Marcondes is Journalist and hates profiteer people

quarta-feira, 7 de setembro de 2011

A culpa é de quem morreu

"Me leva que eu vou / sonho meu / culpado pelos acidentes / só não é que já morreu"

Por Thiago Marcondes

No dia 1 de junho de 2009 um dos piores acidentes de aviões do mundo ocorreu no oceano atlântico e causou a morte de 228 pessoas que estavam à bordo da aeronave da companhia Air France, que havia saído do Rio de Janeiro com destino à Paris, capital da França.

Inverstigações foram abertas para encontrar as causas do acidentes e cogitou-se falha nos equipamentos do avião ou se os pilotos não seguiram os procedimentos previstos em casos de problemas nas aeronaves.

A BEA (Escritório de Investigações e Análises), órgão francês responsável pela investigação técnica do acidente, informou que os responsáveis pelo acidente foram os pilotos por não terem sido treinados adequadamente, conforme informou o Terra. A companhia aérea logo se pronunciou e defendeu sua equipe, conforme reportagem "Air France defende pilotos após BEA ver erros em queda do 447" o portal Terra.

No dia 27 de agosto de 2011, na cidade do Rio de Janeiro, um bondinho que ia rumo aos Arcos da Lapa descarrilou quando fazia uma curva acentuada na Rua Joaquim Murtinho. O acidente causou a morte de 05 pessoas e entre elas, o condutor da composição.

Investigações apontaram falhas nos freios e testemunhas apontaram super lotação no bondinho, o que deve ser verdade, já que recentemente um turista francês morreu ao cair de uma alutra de aproximadamente de 15 metros nos Arcos da Lapa. Porém, não descarta-se a hipótese de que o condutor tenha sido imprudente.

O governo carioca e parte da mídia adotaram essa setença ao deixar claro que o condutor pode ter sido o responsável, mas não falam da falta de investimentos em manutenção e compra de novos materiais para melhorias na transporte público da população e, também, para o turismo já que o bondinho é uma atração para os milhares de turistas que visitam e cidade maravilhosa.

Em ambos os casos acima tentaram colocar a culpa dos acidentes nos mortos, afinal de contas eles não podem se defenderem já que não estão mais aqui para isso. Nesses casos são as famílias ficam traumatizadas por terem os nomes de seus parentes como responsáveis pela morte de inúmeras outras pessoas.

A hipocrisia do ser humano (entende-se por autoridades) foi enorme nos acidentes da Air France e do bondinho já que os inverstigadores quiseram colocar no banco dos reús pessoas que provalvemente são inocentes. É mais fácil culpar e condenar mortos do que investigar seriamente e julgar os que de fato tiveram relação com os casos.

Thiago Marcondes é Jornalista e está "Vivinho da Silva"

sexta-feira, 2 de setembro de 2011

Estados Unidos da Líbia ou República da Líbia Francesa

Futuro incerto pode manter a guerra cívil ou então ocidentalizar o povo

Por Thiago Marcondes

Os confrontos na Líbia, país de origem árabe e geograficamente localizado na África, duram mais de 06 meses e os rebeldes, com ajuda de tropas estrangeiras autorizadas pela O.N.U. (Organização das Nações Unidas), conseguiram chegar a Trípoli, capital da nação, e praticamente controlam todo o território.

Membros da família do ditador Muammar Gaddafi fugiram para a Argélia, porém seu paradeiro continua desconhecido. Dia 01/09/2011 foi disponibilizado um áudio com palavras de que os líbios não devem desistir da resistência e os ataques contra os rebeldes e todos aqueles que lutam contra o regime devem ser mantidos. Mesmo enfraquecido, ele ainda pode ser um temor na retomada do país e na ascensão da violência.

À princípio o Conselho de Segurança da O.N.U. autorizou bombardeios por parte das tropas da O.T.A.N. (Organização do Tratado do Atlântico Norte) apenas para proteger cívis, o que em partes ocorreu, mas ações não previstas também foram identificadas pela mídia e por especialistas.

Com auxílio da O.T.A.N. os rebeldes saíram em caça de Gaddafi e seus aliados e as ações resultaram na quase total queda de ditador. Cívis foram protegidos, mas também mortos. Ataques através de aviões erraram alvos e mataram que não tinha nada com o problema, pelo menos não belicamente.

A França, grande beneficiada por receber o petróleo líbio e apoiada incondicionalmente pelos Estados Unidos, fez uma reunião com países "amigos" da Líbia, entre eles o Brasil, para discutir o futuro da nação e liberar US$ 15 bilhões dos US$ 100 bilhões congelados pela resolução da O.N.U. O órgão já informou que pretende permanecer no país até que a situação seja estabilizada, ou seja, mais uma ocupação em curso.

O dinheiro com certeza ajudará na reconstrução do país que sofre com crise humanitária, mas ainda permanece escuso o apoio da O.N.U. ao governo transitório com a intenção de libertar o povo e instaurar uma plena democracia no país.

O abastecimento de petróleo para os franceses, ao que tudo indica, parece ser o carro chefe dessa operação, mas também há a questão muçulmana na qual o governo estadunidense tanto teme (e acusa também!) de terrorismo pelo mundo. Agora, com praticamente todas as portas abertas para o mundo ocidental, parece que cultura e estilo de vida em países democráticos serão absorvidos pelos líbios, sem imposição por parte de ninguém, que terão liberdade de falar e agir como melhor decidirem (entende-se por O.N.U).

Não se sabe ainda se o governo transitório terá forças suficientes para se manter no poder sem que divisões tribais mantenham a guerra civil em curso. Inclusive, e também um fator chave na reconstrução da Líbia, é saber se efetivamente será possível tomar ações no país por conta própria e sem interferência estrangeira. Caso contrário a nação poderá se transformar em "Estados Unidos da Líbia" ou "República da Líbia Francesa".

Thiago Marcondes é Jornalista