terça-feira, 31 de maio de 2011

O mundo sujo da política

Escândalos, negociações e falta de informações claras movem o cenário político brasileiro

Por Thiago Marcondes

O povo brasileiro, ou grande parte dele, votou nas últimas eleições convictos de que seus os candidatos governariam de acordo com aquilo que a sociedade necessita, mas como quase sempre isso não ocorreu nos últimos dias.

O escândalo envolvendo Antônio Palocci, ministro chefe da Casa Cívil, onde foi acusado de ter aumentado sua riqueza em aproximadamente 20 vezes nos últimos 04 anos, quando ainda era deputado federal, mostrou como os políticos têm atitudes que somente lhes interessam.

A oposição pede veementemente uma C.P.I. (Comissão Parlamentar de Inquérito) para investigar o caso e verificar se houve tráfico de influências em suas consultorias sobre economia para empresas, já que por ser político federal tem acesso privilegiado às informações.

A C.P.I., nesse momento, se faz necessária para que a sociedade tenha conhecimento mais detalhado do caso. Se Palocci for culpado terá de pagar e caso não seja, sua inocência será comprovada para todo o Brasil. Creio não ser inocente pelo fato de o governo tentar à todo custo não levar o caso para frente.

Por outro lado a presidenta não pode barganhar com bancadas, como a católica e evangélica, o apoio para a não investigação do enriquecimento do ministro à troco de parar com a produção do "kit anti-homofobia", que seria distribuído nas escolas do país para diminiur o preconceito na sociedade.

Acredito que a não distribuição do kit está correta não por conta de que somente a família deve instruir as crianças, mas sim por que seu conteúdo não era adequado para a situação. Um novo tipo de material deve ser feito e distribuído para toda a sociedade e não somente nas instituições de ensino.

A bancada católica e evangélica cedeu ao pedido do governo e não apoiará  a C.P.I. Tenho a certeza que os eleitores desses políticos ficaram feliz por não haver o kit., mas será que todos concordam que o ministro não deve prestar contas à sociedade?

Nada contra as pessoas e sua fé, mas somente utilizei esse exemplo para ilustrar como os políticos pensam e agem de acordo com seus interesses. Isso em praticamente todas as bancadas e partidos, afinal de contas cada um quer uma fatia do bolo, ou de poder. O escambo rolou solto e a presidente, Dilma Rousseff, foi quem o intermediou.

Meu voto, nas eleições de 2011, foi à favor de quem está no governo e nem por isso existe apoio para tudo que se faz. Gostaria de uma C.P.I., assim como um novo código florestal, uma reforma política e econômica e, também, um "kit anti-homofobia" decente e que realmente permita a inclusão social no país.

Mas tudo isso pode não passar de balela e utopia, pois como sabemos tudo no congresso passa por negociações e interesses dos políticos enquanto a sociedade fica à mercê do que pensem e o que querem.

Thiago Marcondes é Jornalista

segunda-feira, 30 de maio de 2011

"Se Beber Não Case 2" é engraçado, porém apelativo

Filme explora cenas com nudez e abusos contra animais

Por Thiago Marcondes

"Se Beber Não Case 2" estreiou na última sexta-feira, dia 27/05/2011, nos cinemas brasileiros e as salas estavam cheias para ver a sequência do primeiro longa, que empolgou o público com cenas hilárias de amigos que sairam para celebrar (pode-se dizer assim) a despedida de solteiro de um deles.

Dessa vez o enredo se passa na cidade de Bangcoc, na Tailândia, onde Stu  (protagonizado por Ed Helms) se casará e convida os amigos para a cerimônia. Após a despedida em Las Vegas, no primeiro filme, ele decide não cometer novamente o mesmo erros e isso deixa os demais companheiros desapontados.

Realizam uma fogueira em plena areia de uma ilha do exótico país e acordam no outro dia, já em Bangcoc, sem uma lembrança da forma como chegaram alí e o que ocorreu durante à noite. Um agravante para o bando é que o irmão da noiva de Stu estava com eles, mas agora está sumido.

Situações engraçadas começam a ocorrer e aos poucos, com algumas pistas, eles começam a remontar o que aconteceu. Assim como no primeiro filme eles roubam um animal, porém dessa vez é macaco vendedor de drogas e fumante de cigarro. 

Uma das melhores situações do filme é quando "Alan", protagonizado por Zack Galifianakis, fala sobre um urso polar albino e é questionado sobre como diferenciá-los já que todos são brancos. Sua resposta, inusitada e hilária, foi dizer que nesse caso o animal era preto. 

As demais situações são similares as do primeiro filme, mas o diferencial  foi o que os diretores fizeram para cativar a atenção do público. Cenas de nudez e os abusos com o macaco do filme, que fuma, vende drogas e chegar a levar um tiro durante uma fuga na cidade.

Não é um filme que revolucionará a comédia no mundo e tampouco chegará a ser um dos melhores já feitos, porém vale à pena conferir o longa por ser engraçado e hilário, além de polêmico e apelativo em algumas cenas.

Thiago Marcondes é Jornalista

sexta-feira, 27 de maio de 2011

Bloqueios no Perú dificultam vida de turistas

Chegar à Bolívia partindo do Perú pode não ser tão fácil e passar pelo Chile virou uma opção entre os viajantes

Por Thiago Marcondes

Desde o dia 09 de maio os trabalhadores da região de Puno, sul do Perú, entraram em greve e realizam protestos contra projetos ambientais das mineradoras, pois de acordo com eles os trabalhos podem prejudicar a população que depende da agricultura local.

A greve e os protestos são em estradas nas cidades peruanas de Desaguadero e Yunguyo que fazem fronteira com a Bolívia e são responsáveis por grande fluxo de mercadoria e turistas entre os 02 países. Essa situação gerou, e continua a gerar, problemas econômicos para ambas nações e muitas pessoas buscam alternativas para locomoção.

Até o dia 10 de maio ônibus com turistas e carros comuns passavam livremente de Copacabana (Bolívia) para Puno e somente os caminhões com mercadorais estavam proibidos de cruzar a fronteira. Porém, após essa data os manifestantes, que almejam melhorias nos projetos e também nas condições de trabalho, bloquearam todo o fluxo.

Para os turistas que estavam em Puno e necessitavam ir à Bolívia, como este blogueiro, foram oferecidas 02 opções. A primeira seria um ônibus até Juli, no Perú, depois 02 horas de lancha até a imigração e outro ônibus até Copacabana. De acordo com os agentes isso seria mais seguro ao custo de US$ 35.00.

A segunda opção seria cruzar o lago Titicaca e custaria os mesmos US$ 35.00 até a fronteira, mas demoraria cerca de 09 horas. Ou por US$ 100.00 teria uma lancha rápida e gastaria somente 04 horas de viagem. Nesse caso o transporte até Copacabana seria por conta própria e da imigração até a cidade são cerca de 20 minutos somente.

A primeira opção era a mais viável, mas como o ônibus até Juli não saiu sobrou apenas a segunda e como já eram 10 horas da manhã do dia 16 de maio não teriam mais lanchas, pois saiam somente pela manhã.

Para não ficar mais uma noite em Puno a única chance de chegar a Bolívia seria via Chile e, para isso, uma longa jornada deveria ser feita por turistas como eu, a canadense Jéssika e o colombiano Júnior.

Só para deixar os fatos mais claros vou detalhar os horários entre as cidades. De Puno para Copacabana são 03hs com a estrada liberada e de 06 à 10hs com ela fechada. Puno/La Paz são 07hs com tudo livre e de 10 a 14hs com os bloqueios. De Puno para Uyuni, onde temos o deserto de sal e era meu destino são 18h sem greves e cerca de 25hs com ela fechada.

Deserto de sal em Uyuni, Bolívia - Thiago Marcondes - 20/05/2011

Porém, ao fazer esse caminho via Chile o turista gastará praticamente 48 horas de viagem porque terá de fazer uma via sacra. Sair de Puno com destino à cidade peruana de Tacna (06 horas de van e cerca de 08 em ônibus), depois cruzar a fronteira com o Chile que leva cerca de 01 hora e pode ser feita em BUS ou taxi. Isso mesmo, em TAXI.

Ao chegar no Chile deverá pegar o ônibus à Bolívia na rua à 01 da manhã, pois ele vem de Iquique e não sai da rodoviária. Essa viagem leva cerca de 12h até La Paz porque a fronteira boliviana abre somente às 08 da manhã e o ônibus chega por volta de 05 da madrugada. A estrada é de terra e de ambos os lados há apenas mato, o que amedronta um pouco quem não está acostumado.

Para quem irá para Uyuni deverá descer na cidade boliviana de Patacamaya e pegar uma condução até Oruro, que são cerca de 1h30m e deve ser realizada na avenida principal, já que não há rodoviárias no local. Essa parte da viagem pode ser desafiadora, pois existem somente vans que fazem o trajeto ou o turista pode parar algum ônibus com destino à Oruro e tentar embarcar.

De Oruro até Uyuni são 07h de viagem. Os ônibus saem somente à noite e não têm cobertores e calefação, o que torna a viagem desconfortável porque no mês de maio as temperaturas pordem chegar a -15ºC durante à noite.

Todo o trajeto pode durar cerca de 48h e somente torna-se viável para que o viajante não durma uma noite a mais um Puno caso não tenha mais lanchas disponíveis e gaste dinheiro com hotéis e comida. Porém, vale ressaltar que por 02 noites seguidas dormirá em ônibus e que nem sempre terá conforto disponível.

Até o dia de hoje o impasse não foi resolvido cruzar a fronteira ainda é um problema para todos, inclusive turistas.

Thiago Marcondes é Jornalista

segunda-feira, 16 de maio de 2011

Machu Picchu: cansativo, mas valioso

A viagem até Águas Calientes durou cerca de 03 horas, mas a paisagem encantadora compensa o trajeto

Por Thiago Marcondes

Águas Calientes (Machu Picchu) - O caminho para chegar à cidade Inca mais famosa é longo e demorado. Os trens antes saiam de Cusco, mas por conta de um deslizamento de terra os passageiros sao levados à estacao de Ollantaytambo.

Os viajantes sao levados de van até a cidade de Ollantaytambo, que demora cerca de 01h e 01h30, para finalmente pegarem o trem. A locomotiva sai no horário marcado e as primeiras sempre sao as mais caras, como a "Vista Dome".

Ao olhar percebe-se uma composicao luxuosa. Assim, aqueles viajantes que compraram para o vagao "Expedition" como eu pensam que irao em um trem bem simples. De certa maneira ele também tem seu luxo e é bem confortável.

A paisagem durante o percurso deixa o viajante encantado durante o período de 1h30m até chegar em Águas Calientes, ponto de entrada para Machu Picchi. Muitos preferem chegar, visitar a cidade Inca e voltar á Cusco, o que de fato é bem mais barato. Mas pode-se optar por ficar na cidade e visitar o mercado, a Praca de Armas, as catarates e também lugares com águas termais.

Preferi ficar aqui por 01 dia e ir à cidade Inca somente em 13/05. Alguns me disseram ser besteira porque nao há praticamente nada na cidade e outros falaram ser bom para descansar.

Optei pela segunda proposta porque desde que saí do Brasil passei mais tempo nos meios de transporte. Sábado foram 03h30m de voo com conexao, domingo 04h de viagem de ônibus, segunda 03h30m em um barco para realizar o passeio à "Isla del Sol", terca mais 03h do ônibus para chegar ao Perú e 01h em um passeio de barco. Quarta viajei por 07h para sair de Puno e chegar à Cusco e hoje mais 03h até Àguas Calientes.

Foi cansativo até o momento e as saudades da família, casa e namorada me dominam ao ponto de querer voltar ao Brasil o mais rápido possível. A passagem está marcada para 25/05, mas creio que voltarei antes. De qualquer forma as paisagens sao belas e vale à pena todo o sacrifício.

Thiago Marcondes é Jornalista

Obs: desculpem a falta de acentuacao, mas os teclados no Perú sao diferentes dos usados no Brasil.

terça-feira, 10 de maio de 2011

A Copacabana boliviana

Paisagens belas faz valer o sufoco de viajar de onibus pela Bolívia

Por Thiago Marcondes

Puno - A cidade de Copacabana mais parece um vilarejo por ser muito pequena. Para chegar ate ela, à partir de La Paz, toma-se um onibus e a viagem dura ao menos 04 horas, por conta da demora para sair da capital boliviana e, tambem, pelas paradas para pegar mais passageiros.

Copacabana é uma ilha e o onuibus deve atravessar por uma balsa para chegar até o destino final. A viagem é aconchegante e as paisagens sao belas. Alias, ao chegar na cidade pode-se ver a igreja de Nossa Senhora de Copacabana, uma bela construcao feita pelos espanhóis e com ajuda dos índios, escravizados na época.

Fora isso nao há muito o que fazer a nao ser passear pelas ruas, comprar presentes nas lojas e reservar seu passeio para a "Isla del Sol", a umas 02 horas de barco. Há hotéis e hostels para todos os gostos e bolsos.

Mas de tudo isso o que mais marca durante a viagem e o trajeto é a simplicidade das pessoas e a dificuldade encontrada por elas. Muitas vivem do trabalho informal ou como pedinte. Inclusive os bolivianos sao muito solidários uns com os outros e sempre que podem oferecem carona para aqueles que nao tem dinheiro.

O turismo nessa regiao se fortaleceu nos últimos anos, quando Evo Morales investiu mais nas regioes do interior para ajudar o povo. O turista que visita a Bo`lívia deve passar por Copacabana, mas nao tem porque ficar por mais de 02 dias.

Thiago Marcondes é Jornalista

Obs: desculpem a falta de acentuacao, mas os teclados no Perú sao diferentes dos usados no Brasil.

domingo, 8 de maio de 2011

A bela e caótica La Paz

Capital boliviana sofre com transito absurdo e morotistas alucinados

Por Thiago Marcondes

Copacabana - A chegada em La Paz foi tranquila e os efeitos da altitude, geralmente cansaco e dor de cabeca, nao foram sentidos. E olha que para uma pessoa que teve bronquite na infancia e tem desvio de septo e carne esponjosa no nariz as coisas podem complicar.

O taxi do aeroporto ao hotel foi divido com um estadunidense que viaja pela America do Sul por 02 meses e meio e isso barateou ainda mais a corrida. Porém, durante o trajeto percebi o quanto o transito de Sao Paulo e os motoristas sao bons.

Aqui existem semaforos, mas quase nunca sao respeitados. Os pedestres se enfiam na frente dos carros para atravessar as ruas enquanto os motoristas buzinam loucamente para que tudo e todos saiam da frente. Sejam pessoas, outros carros, onibus ou caminhoes.

As ruas sao bonitas e no sabado a noite fui dar uma volta com algumas pessoas do hostel para comermos e bebermos algo. A caminhada levou mais de 30 minutos ate encontrarmos o local e ao pedirmos o menu soubemos que nao serviam mais comida. Apos as 22 horas torna-se complicado encontrar algo para comer fora das bancas na ruas, similar as do centro de Sao Paulo.

Nesse momento eu estava com falta de ar. Tanto para respirar quanto "ARMOCO", ja que nao havia almocado. O lanche feito nas barraquinha desceu como se fosse um chefa da cozinha francesa que tivessa cozinhado e, junto com isso, os efeitos da altitude apareceram.

O pouco que andei pela cidade, ja que hoje (08/05/2011) viajei para Copacabana, percebi o quanto ela se parece mais ainda com grandes metropoles, por conta da grande quantidade de pessoas, turistas e tráfego de carros.

Na viagem o motorista ultrapassava carros pela contramao e nao se importava muito com os veiculos na direcao oposta. Ele ainda buzinava como se estivesse cheio da razao. As paradas para pegar pessoas sao absurdas e uma viagem que poderia ser feita em 02 horas chega a praticamente 04. Vale ressaltar que somente para sair de La Paz demorou cerca de 55 minutos.


Mais ainda assim, com todos os problemas, voltarei a cidade para conhecer mais de sua historia e cultura. Ate porquea falta de educacao dos motoristas foi presenciada também em Copacabana, onde finalmente senti os sintomas da altitude chegaram.

Thiago Marcondes é Jornalista


Obs: desculpem a falta de acentuacao, mas os teclados na Bolívia sao diferentes dos usados no Brasil.

quarta-feira, 4 de maio de 2011

Futebol na T.V.: vou parar com isso

Os diretores dos clubes não se preocupam com os torcedores. O importante mesmo é o afago ao dono do poder

Por Thiago Marcondes

O futebol, paixão nacional do brasileiro, esteve presente em minha vida desde a infância e sempre acompanhei os jogos nas telinhas. Não importavam os times em campo. O importante mesmo era ficar os 90 minutos com os olhos pregados na televisão.

Aliás, a paixão pelo esporte não ficou somente na T.V. e procurei sempre jogar alguns campeonatos na escola, pela "Liga do Batalha" e, também, aos domingos com amigos. No último caso podemos dizer que pratiquei "corrida", pois quase não recebo a bola por conta da habilidade (ou a falta dela) com a pelota. Agora jogo como goleiro.

Isso me rendeu gesso 02 vezes e, no último mês, uma perna inchada por conta de uma pancada. Mas isso é história para outro dia, portanto voltaremos ao futebol profissional com todo seu poderio econômico e de mobilização das massas.

Fui muito em estádios, mas decidi não ir mais por conta do alto custo (cerca de R$ 100,00 o casal) com ingressos, gasolina, estacionamento e minimamente refrigerantes com um lanche barato. Ah, a violência e falta de condições influenciaram muito em minha decisão.

De 2009 até o final de 2010 acompanhei os jogos de futebol somente pela T.V. e a qualidade técnica dos jogadores caiu cada vez mais. Os comentaristas não ajudam e em alguns casos os narradores erram os nomes dos clubes e atletas. Isso acontece muito com a Globo, detentora da transmissão dos torneios.

Em 2011 tivemos a confusão em relação aos direitos de transmissão do campeonato Brasileiro/2012 onde o Clube dos 13 tentou acabar com a hegemonia (entende-se por MONOPÓLIO) da Globo. Os clubes, que sempre almejaram a troca de emissora para adiantar o horários dos jogos, desistiram da idéia.

Sabe-se que o dinheiro e o poder move o interesse de muito e muitos clubes como Corinthians e Flamengo (citei somente os que mais receberão, porém há outros no bolo) que foram nessa direção. A Globo, com seu poderio econômico, convenceu inúmeros times a assinarem contrato com ela de forma individual e, assim, o Clube dos 13 ficou na mão conforme o artigo Cada um por si e a Globo por todos.

Ao negociarem com a Globo os clubes voltaram atrás naquilo que mais atormenta seus torcedores: os jogos às 21h50m (que sempre começam às 22h ou quando a novela termina. Dificuldade de locomoção pela cidade, transporte público precário e reduzido e ainda deve-se compreender que a maioria das pessoas trabalham no dia seguinte, ou no dia em que acaba o jogo, pois o apito final quase sempre ultrapassa às 00h.

A falta de respeito das diretorias com o torcedor que vai ao estádio, seja onde for, faça chuva ou faça sol, parece não fazer diferença para ninguém. Apenas pensam em lucrar, lucrar e lucrar.

Já deixei de fazer muita coisa por conta do futebol na T.V. Mas agora prefiro um belo passeio com a família ou com a mulher amada ao lado, enchendo-a de beijos, abraços e carinho. O replay dos gols passará por todo o domingo, porém o momento de fazer alguém feliz pode não voltar mais, ainda mais se o time perder.

Thiago Marcondes é Jornalista

segunda-feira, 2 de maio de 2011

Osama morreu e Obama ganhou sobrevida

O presidente dos Estados Unidos aproveitou momento de instabilidade para dar notícia que os estadunidenses e o mundo esperavam há tempos

Por Thiago Marcondes

O anuncio da morte de Osama bin Laden, o todo poderoso terrorista que assumiu os ataques de 11/09/2001 ao World Trade Center, em Nova Iorque, pegou todos de surpresa. Líderes mundiais, sociedades e, também, os próprios aliados ligados ao "Al Qaeda".

Barack Obama (não confundam com Osama, apesar de ele gostar de matar tanto quanto) fez um pronunciamento na madrugada de 02/05/2011 (horário brasileiro) para noticiar a façanha com tamanha alegria para o povo estadunidense e mundial. As pessoas foram às ruas para comemorar a morte de bin Laden como se isso fosse resolver, ou até mesmo minar, os problemas com extremistas no mundo.

Alguns líderes mundiais se pronunciaram à favor e outros contra o uso excessivo da força para capturarem o mais procurado terrorista do mundo nos últimos 10 anos. Ainda assim muitas coisas em relação às ações do exército estadunidense, em conjunto com o paquistanês, não foram esclarecidas à mídia e às pessoas.

Sabemos que o ataque foi há uma semana, porém não temos a certeza se foram somente militares americanos. O governo do Paquistão informou que auxília Obama com serviços de inteligência, porém não tinha conhecimento da operação para a captura de bin Laden. Acreditem, de acordo com as informações ele estava bem próximo de uma base militar do país.

Não sabemos ao certo qual a relação do Paquistão com os Estados Unidos e seu comprometimento com a paz mundial. Pois ao mesmo tempo em que apoiam o governo de Obama eles têm líderes e campos de treinamento da Al-Qaeda em seu território e, parece até piada, não conseguem prender os responsáveis.

Quando prenderam Saddam Hussein fizeram questão de mostrá-lo barbudo e sujo. Aliás, filmaram sua morte, por enforcamento, e disponibilizaram na internet e na mídia. O homem bárbaro foi julgado e condenado pela justiça iraquiana e um julgamento confuso. Mas pelo menos todos viram sua cara.

E no caso de bin Laden onde estão as provas de que o corpo é dele mesmo? Existem exames de DNA que comprovam, mas e daí? O mundo quer fotos! Porque jogaram o corpo no mar? Dizem ser para que seu túmulo não vire um local de peregrinação para os extremistas.

Não gosto de pensar em teoria da conspiração, mas o anuncio da morte soa muito estranho e ainda mais em um momento em que os Estados Unidos estão em crise econômica, com problemas no sistema de saúde (sempre existente) e uma taxa de desemprego similar a de 1930, o ano da grande crise econômica.

Tudo isso pode não ser verdade como também pode ser. Imaginem bin Laden nesse exato momento em um apartamento em qualquer cidade dos Estados Unidos rindo de tudo. Irônico?  Claro! Tanto quanto a política estadunidense de matar (pena de morte) serve para preservar a vida.

Observação: Barack Obama mostrou ser um "Gentleman" ao anunciar a morte somente no dia 02/05/2011. Caso contrário, as notícias do casamento real ficariam para segundo plano e a Grã-Bretanha, sua parceira em guerras, ficaria extremamente chateada.

Thiago Marcondes é Jornalista