quarta-feira, 23 de maio de 2012

Greve dos metroviários não resolve o problema do transporte

O sindicato luta apenas pelos funcionários e se esquece da necessidade da população

Por Thiago Marcondes

Os metroviários de São Paulo resolveram fazer greve no dia de hoje, 23/05/2012, para reivindicar alguns direitos como aumento no ticket refeição de R$ 19,50 para R$ 23,00 e aumento salarial.

Ainda não há solução final para saber se a greve continuará ou não, mas um fato concreto é que a cidade de São Paulo está um caos e muitas pessoas não conseguem (e nem conseguiram ainda!!!) chegar ao local de trabalho. O trânsito bate recorde no ano de 2012, pois o fluxo de carros aumentou (como se já não fosse grande o suficiente) por conta da falta de transporte público. Na zona leste, especificamente na av. Radial Leste, começou uma manifestação por conta da situação e a tropa de choque da polícia militar precisou intervir com a "sutileza" de sempre

A greve é um direito do trabalhador, mas todos os anos os metroviários usam-na para conseguir aumentos e benefícios. Consequentemente prejudicam a população em suas rotinas diárias. Na maioria dos casos, os grandes punidos são os trabalhadores que, por conta do capitalismo alucinado dos patrões, devem chegar ao trabalho custe o que custar.

Muitos sequer saíram de casa por conta da confusão que seria para conseguir chegar ao local de trabalho. Os atrasos já chegam a ser de 04 horas e, de acordo com a rádio CBN, alunos perderam provas nas escolas e faculdades.

Reivindicar os direitos é algo muito bonito, desde que haja um bom motivo para os funcionários de metrô e ótimas consequências para a população. No atual momento o sindicato dos metroviários pensa somente na própria situação e parece não dar importância às condições do transporte coletivo superlotado e que não atende à demanda.

O povo está certo em protestar, mas não adianta partir para a violência. O primeiro protesto pode (e deve ser) através do voto e, posteriormente e com regularidade, manifestações para reivindicarem os direitos para obter melhores condições no transporte coletivo. Nada de parar a avenida Paulista. O negócio, para dar certo, é ir ao Palácio do Governo, à sede da Prefeitura, Assembléia Legislativa e por aí vai. Quem sabe um dia a gente se conscientize e chegue lá.

Thiago Marcondes é Jornalista e nunca fez greve, mas já participou de manifestações

segunda-feira, 7 de maio de 2012

Sem objetivos não se vai à lugar algum

Não adianta saber nadar se não tem um destino definido. O máximo que conseguirá será morrer na praia

Por Thiago Marcondes

O mercado de trabalho está cada vez mais competitivo e o pessoal que não se atualiza corre um grande risco de não conseguir um emprego melhor, ou até mesmo promoções para alavancar a carreira dentro da empresa em que trabalha.

A atualização citada neste artigo não se trata somente de áreas específicas onde o profissional atua, mas também em conhecimentos gerais, política, economia e a situação da cidade onde vivem, pois assim terão noção das consequências do seu voto em relação à sociedade. Uma enfermeira não precisa focar somente em enfermagem assim como um Analista de T.I. também não precisa saber somente de computadores e redes, já que sua decisão pode (ou não!!!) influenciar o seguimento onde atuam.

Uma troca de governo, ou seja, de partido político no comando de cidade, estado ou país, pode influenciar em como as políticas públicas serão geridas, os investimentos distribuídos entre os setores e como serão os projetos para a sociedade como um todo. Seja no âmbito público ou em parcerias privadas.

A falta de investimentos em educação e saúde significa que professores e profissionais como médicos, enfermeiros e auxiliares administrativos (somente para citar alguns casos) fará com que contratações diminuam e, consequentemente, as pessoas não consigam empregos. Logo, não terão dinheiro para gastar e a economia não ficará aquecida como pretendem os políticos.

Sabe-se que hoje em dia as empresas exigem muito dos funcionários e, em muitos casos, não conseguem tempo livre para estudar ou até mesmo ler um livro ou uma revista que gostem. Mas acredito que metas devem ser traçadas para que o objetivo seja alcançado. Vale pensar se o que almeja é uma promoção, troca de emprego e se for estagiário ser efetivado no local onde está.

Faça um projeto daquilo que pretende fazer ao longo do ano e se planeje para conseguir efetuar tudo que foi pensando, pois assim conseguirá se organizar e no final de tudo verá que os sacrifícios valerão à pena.

Thiago Marcondes é Jornalista