segunda-feira, 22 de agosto de 2011

The Middle East days in England

By Thiago Marcondes 

On the two last weeks England lived bad days in its history. Mark Duggan, a man with 04 children, was killed by the police and until now the society does not know what happened and why.

People, most of the young people, went to the streets and started protests against the government and the police. Many department stores were stole by the manifestants and many public buildings and cars was burnt.

The biggest news paper in Brazil and in other countries said the vandals tried to destroy London, the first city that had protests, doing disorder in the neighborhoods. They did not say that people can do this actions to claim their rights and a precisely society.

The things that happen in London, Liverpool and Manchester it is democracy because the society is going to the streets to have their rights. In all cities and countries exists bad people who just think in theirselves and vandals enjoy the situation to promote jumble.

England is not living well days because in last months a lot of scandals involved politicians and news paper trembled the government. If people did not go to the streets probably they would not solve the problems.

Some specialists believe that English society is sick. Remember that police killed Jean Charles, a Brazilian guy who had work in London, and in the last year the government tried to increase the school fees. People are not crazy. They are trying to make their lives better.

Thiago Marcondes is Journalist

Líbia: a esperança de volta ao povo


Final da ditadura não significa o começo de uma plena democracia

Por Thiago Marcondes

As notícias sobre a tomada de mais de 80 % da cidade de Trípoli, capital da Líbia, pelos rebeldes ontem (21/08/2011) não param de chegar via rádio, internet e televisão e até o momento não se sabe o paradeiro do ditador Muammar Gaddafi.

Nos últimos dias de batalha mais de 1.200 pessoas morreram por conta dos conflitos e no quartel general do governo ainda há sinais de resistência por soldados leais a Gaddafi. Parece faltar pouco para que o ditador se torne mais um governante que perdeu seu posto através de um levante popular no norte da África. Em 2011 já vimos a queda do tunisiano Zine El Abidine Ben Ali e do egípcio Hosni Mubarak.

A democracia parece estar na porta de entrada na sociedade líbia, pois o povo se uniu em pról de liberdade de expressão e melhorias nas condições de vida. O país é produtor de petróleo e um grande exportador para as nações européias. Talvez isso explique o apoio dado aos rebeldes pela O.N.U., os Estados Unidos e a França.

32 nações já reconheceram os rebeldes como governo legítimo e por incrível que pareça até a Síria, que sofre com protestos da sociedade por maior abertura política e reprime seu povo, os apoiou. Contradições à parte, parece que os problemas líbios estão resolvidos com o fim da ditadura, ou pelo menos muitos acreditam nisso.

À partir de agora o pensamento deve ser na reconstrução do país através da política e economia. Questões tribais e religiosas devem ser deixadas de lado e os direitos do povo devem ser iguais independetemente de sua origem ou crença. Isso é um pouco mais complicado, pois aqueles que ajudaram na derrubada do antigo regime querem fazer parte novo e com poderes de decisão.

Espera-se que após os conflitos que assolou o pais nos últimos 06 meses tudo volte ao normal e a reconstrução seja iniciada sem divergências entre os que se uniram para instaurar a democracia no país. Caso contrário, o banho de sangue promovido por Gaddaffi pode continuar por um longo tempo nas mãos do novo governo.

Thiago Marcondes é Jornalista e gostaria de cobrir um evento assim

domingo, 21 de agosto de 2011

A corrupção generalizada

"A corrupção dos governantes quase sempre começa com a corrupção dos seus princípios." ( Barão de Montesquieu )

Por Thiago Marcondes

A política brasileira nunca foi das melhores quando o tema é combater a corrupção e nos últimos meses o governo de Dilma Rousseff, a primeira mulher eleita presidente no Brasil, sofre com escândalos em ministérios e demissões praticamente em massa para tentar arrumar a bagunça no planalto.

A situação política da presidente (ou presidenta) se complicou à medida em que não tomava atitude alguma no caso Palocci, em que ele foi acusado de enriquecer ilicitamente enquanto era deputado federal. O ministro saiu do cargo e a mídia parece ter deixado de lado o caso, já que não há mais notícias e a sociedade não sabe se ele é ou não culpado. Para entender melhor leia "O mundo sujo da política" e "Caso Palocci já foi esquecido pela mídia brasileira".

Toda a mídia, e o povo também, criticou a postura da presidenta pela demora em tomar atitude em relação aos casos e fatos de corrupção. Dilma, com seu estilo de gestora e totalmente diferenciado de Lula, tenta colocar ordem na casa ao dispensar os acusados (em alguns casos entende-se por culpados) e substituí-los por pessoas de sua confiança.

Tal atitude não significa que os problemas serão resolvidos, pois a corrupção nem sempre está com os grandes nomes. De qualquer forma a limpeza promovida por Dilma pode deixar os demais corruptos com a "pulga atrás da orelha" e torna-se indício que esse governo não está de brincadeira e a sujeira, ou parte dela, será limpada e o povo poderá voltar a acreditar nos políticos.

A oposição luta para uma C.P.I. com intuito de manchar o governo, porém nem eles mesmos sabem o que fazer e o ex-presidente do Brasil. Fernando Henrique Cardoso, disse que a atitude de Dilma deve ser apoiada por todos. Claro que F.H.C. não fez isso de graça, pois percebeu que apenas bater, bater e bater não trará benefícios ao P.S.D.B. no momento e futuramente.

O povo nas ruas já não aguenta mais abrir os jornais e ler que corrupção atrás de corrupção foi descoberta e que mais e mais pessoas foram demitidas. Já está na hora de colocar o Brasil para funcionar e as obras para melhoria da sociedade serem entregues. Mas o povo, ah o povo, ele está certo em cobrar dos políticos mais seriedade e zero de corrupção, porém está errado quando se torna conivente com situações desse tipo.

Sempre a sociedade quer usar o famoso jeitinho brasileiro para conseguir as coisas. Como passar na frente na fila do médico sem estar em estado crítico ou como marcar um exame (S.U.S.) antecipadamente quando tem um amigo/parente que trabalha na área de saúde.

Recentemente presenciei um caso em que o dono do carro deveria levar o veículo para trocar a placa, pois a cidade seria alterada. Não conseguiu finalizar o processo porque havia insul-film no vidro da frente. Mas soube por pessoar próximas que poderia ter pago R$ 50,00 a mais e o emplacamento seria feito sem problema algum.

A prática da corrupção pode ser acabada, ou dininuída de forma significativa, no alto-escalão político brasileiro. Porém, o povo, aquele que tanto reclama dos roubos e jeitinhos utilizados pelos políticos também deve ter a consciência de que movimentam esse tipo de crime em menor escala.

Por ser uma democracia ainda jovem o Brasil e seu povo tem muito com o que evoluir em relação à isso. A sociedade não pode utilizar o ditado "Faça o que eu falo, mas não o que faço", pois a situação pode não melhorar nunca.

Thiago Marcondes é Jornalista

quarta-feira, 17 de agosto de 2011

Inglaterra viveu seus dias de Oriente Médio

01 ano antes das Olimpíadas, cidades inglesas sofreram com protestos e segurança

Por Thiago Marcondes

A morte de Mark Duggan, no dia 06 de agosto, desencandeou uma série de protestos na Inglaterra. A polícia londrina é acusada de matar o homem de 29 anos, pai de 04 filhos, e até o momento não se sabe o motivo do assassinato.

As manifestações iniciaram em Tottenham, seguiram por toda Londres e atingiram Manchester e também Liverpool, mais conhecida pelo time de futebol local (que contém o nome da cidade) e por conta dos Beattles.

Prédios públicos foram queimados, atearam fogos em carros, destuíram e saquearam lojas de departamentos, mas também fizeram protestos como forma de cobrar o governo pela morte de uma pessoa que até o momento o mundo não sabe o motivo.

A grande mídia brasileira e mundial tentou à todo custo deixar claro que vândalos provocaram as manifestações, saques, destruição e os roubos e que aquilo não tinha nada (ou quase nada) relacionado com o assassinato de Duggan.

Claro que pessoas assim, com intenção de se aproveitarem da situação para benefício próprio, existem em todos os lugares do mundo. Porém, esqueceram (ou não quiseram mesmo) sinalizar que a sociedade britânica tem problemas e que a população não tolera mais certas ações da polícias, políticos etc. Lembram do caso Jean Charles?

Tudo isso é fruto de um governo que recentemente esteve envolvido em escândalos e que também quis aumentar a tarifa anual para para as escolas. O assassinato foi a gota d'água e povo inglês, conhecido pelo sua educação de "lord', saiu às para protestar.

Londres ficou sitiada e a própria população, após 03 dias de protestos, foi às ruas para recolher o lixo e organizar a situação. Em Liverpool ocorreram manifestações. Helicópteros sobrevoavam a cidade e a polícia estava mais presente nas ruas, porém o andamento da sociedade permaneceu da mesma maneira, ou seja, seguindo a rotina de trabalho, escolar normalmente.

Ainda não se sabe o que acontecerá nos próximos dias nas principais cidades inglesas, mas o que ocorreu deve servir de lição para que os políticos deles e de todo o mundo respeitem mais seu povo. Afinal de contas, são essas pessoas que pagam impostos e de certa forma sustentam a nação.

Thiago Marcondes é Jornalista e tem vontade de se envolver em protestos conta o governo

segunda-feira, 15 de agosto de 2011

Veículo quase invade lanchonete em São Paulo

Motorista chegou a derrapar o carro para não acertar pessoas na calçada

Por Thiago Marcondes

Um carro atravessou o cruzamento entre as ruas Borges Lagoa e Leandro de Dupret, no bairro de Vila Clementino na zona sul de São Paulo, e quase atropelou pedestres que aguardavam a abertura do semáforo por volta de 10h da manhã.

 Thiago Marcondes - 15/08/2011

Não se sabe as causas do "quase" acidente, mas a motorista quase entrou com o veículo dentro de uma lanchonete e poderia ter causado uma tragédia se não tivesse parado à tempo.

Muitos casos de atropelamento ocorrem porque os pedestres, com pressa de chegarem em seus destinos, atravessam as ruas sem prestarem atenção nos semáforos e a mesma situação ocorre com os motoristas.

Fica aqui a dica para que tanto motoristas quanto pedestres prestem atenção aos semáforos e, além disso, antes de cruzar as ruas e avenidas olhem para ambos os lados de forma que acidentes não aconteçam.

Thiago Marcondes é Jornalista

segunda-feira, 8 de agosto de 2011

A fábrica de multas na cidade de São Paulo

Em locais onde não há zona azul a C.E.T. parece não se preocupar com infrações

Por Thiago Marcondes

Recentemente postei no blog um texto sobre um veículo oficial do Poder Executivo da cidade de Itapetininga que estava estacionado na vaga de idosos em São Paulo, mais especificamente na Rua Leandro de Dupret, no bairro Vila Clementino, para relata a falta de respeito com a vaga de idosos. Clique aqui para ler o artigo "Flagra de desrespeito na cidade de São Paulo".

Pouco mais de 01 mês atrás os motoristas podiam estacionar seus carros na rua Leandro de Dupret sem que fosse necessário o pagamento para os "flanelinhas" ou então sequer existia a necessidade do bilhete de zona azul. Claro que nem todas as pessoas respeitavam as guias rebaixadas e às vezes deixavam os veículos em locais que todos sabem ser proibidos.

 
Agente de trânstio verifica veículo - Thiago Marcondes - 08/08/2011

A C.E.T. (Companhia de Engenharia de Tráfego), que fiscaliza o trânsito na cidade de São Paulo, é responsável por monitorar esses problemas e, consequentemente, multar os motoristas infratores e guinchar os carros caso o dono não esteja no local.

Na teoria isso funciona de forma perfeita, mas na prática quase nunca ocorreu na região. Os agentes de trânsito (marronzinhos) da C.E.T. quase nunca passavam pelo local, sabe lá por que e por ordem de quem, e os infratores ficavam impunes.

Porém, depois que a obrigatoriedade de obter o cartão azul para poder estacionar no local foi instaurada frequentemente é possível encontrar os agentes na região. Estão sempre em 03 ou 04 para monitorar e autuar os infratores. Corretíssimo! Mas porque não estavam lá antes?

 
Flagra do momento da multa - Thiago Marcondes - 08/08/2011

Multas na cidade de São Paulo geram grandes recursos em forma de impostos e com isso o governo consegue arrecadar mais e mais dinheiro para seus corfres. Esse negócio é como uma fábrica e a produção não pode parar.

Tanto as multas de rua como estacionamento e falta de cinto de segurança quanto as dos radares geram lucros enormes para o governo e, também, para as empresas que administram os setores.

Alguém já tentou chamar a C.E.T. para multar e guinchar um carro que esteja estacionado em frente uma garagem? Isso ocorreu comigo e após 02 horas  que eu  havia ligado ninguém apareceu. Quando há falta de energia em vias com radares eles param de funcionar? Também não! Ou seja, existe toda uma infra-estrutura para que a fábrica de multas não pare. 

O aparelho estatal está cada vez mais alinhado em arrancar dinheiro do cidadão, mas quando melhorias são exigidas todos se fingem de morto. Basta olhar para a qualidade das vias públicas na capital e o fato será comprovado.

Thiago Marcondes é Jornalista e às vezes fica bravo as pessoas que estão no poder

terça-feira, 2 de agosto de 2011

Exploração da fé em favor do lucro e do comércio

O complexo na basílica de Nossa Senhora da Aparecida às vezes parece mais um shopping do que um local religioso

Por Thiago Marcondes

No último sábado, dia 30/07, fui até a cidade de Aparecida do Norte, localizada a cerca de 170 km de São Paulo. Fazia aproximadamente 02 anos que eu tinha ido ao Santuário e nesse pouco tempo percebi que muita coisa mudou.

A basílica, conhecida como a Igreja Nova, já que no alto da cidade tem uma antiga, começou a ser construída na década de 50 e sua inauguração ocorreu em 1980, durante a visita do então Papa João Paulo II que faleceu no ano de 2005.

Todos os finais de semana a cidade recebe uma grande quantidade de pessoas oriundas de diversas cidades e estados do país. Mineiros, cariocas e por aí vai. Os fiéis vão de carro, ônibus de linhas comuns e, em muitos casos, em excursões realizadas.

As pessoas, ao visitarem o santuário, vão em busca de pedidos para Nossa Senhora da Aparecida ou então para agradecimento, o que é mais comum, de uma graça alcançada como emprego, compra de carro, casa, viagem, casamento etc.

Existe uma sala reservada para a exposição de artigos que os devotos entregam na basílica após ter a graça alcançada. Por exemplo, é comum jogadores de futebol levarem camisas autografadas após um título, pessoas que largaram a bebida deixam garrafas de cachaça, gessos de membros quebrados, balas de armas de pessoas que sobreviveram à assaltos e tudo o que se pode imaginar.

No complexo, além do espaço para os fiéis rezarem, depositarem seus artigos como forma de reconhecimento da promessa cumprida, tem também espaço para aqueles devotos/turistas que levam suas refeições almoçarem no local. Inúmeros visitantes são de origem pobre e humilde e nem sempre têm condições de almoçarem em restaurantes na cidade, já que os preços variam de R$ 8,00 a refeição por pessoa até R$ 60,00 um prato que serve 02 pessoas.

Atualmente a basílica comporta um mini complexo comercial onde há lojas com artefatos religiosos, roupas, tênis, restaurantes de diversos tipos e entre eles há um MC Donald's. Um parque de diversões foi construído no local para o divertimento da criançada. O local é muito organizado e em vários momentos nem parece que se está em um lugar sagrado.

A fé da maioria das pessoas que visitam o local é incontestável e algo muito bonito de se ver, mas a igreja parece, em muitos casos, deixar isso de lado para explorar o lado comercial da situação. Cerveja é vendida logo cedo, à partir das 09h30m já é possível encontrar fiéis circulando com uma lata na mão.

Padres e seminaristas circulam pelo local e cumprimentam as pessoas como se estivessem dentro da própria igreja. As pessoas, em geral, passam a maior parte do tempo no mini-shopping do que dentro da própria igreja ou nos demais locais sagrados que lá existem.

Tudo foi construído, nos últimos tempos, para atender a demanda de devotos é claro, mas também para que o consumo seja realizado de forma compulsiva pelas pessoas. Eu mesmo, que fui com minha família, permaneci dentro da basílica somente durante o tempo da missa. As demais horas foram caminhando pela cidade porque os familiares queriam comprar, comprar e comprar.

A mais-valia impera naquele local e as pessoas, no geral, não percebem isso e acabam iludidas com os produtos à venda. Há santinhos de todos os tamanhos, cores, envoltos em madeiras com luzes, tipo um mini-altar com jogo de luz e tudo o mais. Um trio-elétrico circula pelo estavionamento com pessoas fantasiadas e músicas de louvor são entoadas para as pessoas.

O que deveria ser sério e respeitoso por parte das autoridades eclesiásticas (se é que podemos dizer assim) ficou de certa forma banalizada pelo único e simples intuito de vender, vender, vender e arrecadar, arrecadar e arrecadar. Há quem diga que compra e perde tempo com tudo isso quem quiser. Porém, de forma descarada o espaço é alugado, com certeza a preços elevadíssimos, e quem paga a conta é o fiel já que os produtos têm os valores relativamente altos.

O triste é saber que em vários momentos os representantes da igreja (deixo bem claro que não falo de DEUS e sim do HOMEM) seguem seus próprios interesses e deixam de lado o povo, o devoto. Na passarela que liga a basílica nova à igreja antiga há uma placa em homenagem ao Marechal Costa e Silva, que auxiliou no golpe de 1964 e presidiu a nação entre 1967 e 1969.

Sob seu governo foi instaurado o AI-5 (Ato Institucional nº 5) que deu plenos poderes ao exército para caçar a oposição e retirar todo o direito de liberade da imprensa e dos meios de comunicação. A construção do santuário foi realizada sob o período ditatorial onde todo o povo sofria e algumas alas igreja ctólica, com a força que exerca na sociedade, cruzou os braços para o problema.Aliás, como dito nesse mesmo artigo, a basílica foi inaugurada em 1980, período em que a ditadura ainda existia no Brasil.

Observação importante, mas que ficará para outra postagem. Na igreja antiga há uma estátua, não me recordo de quem agora, com bons dizeres sobre a Opus Dei e seu trabalho no campo religioso.

Thiago Marcondes é Jornalista