domingo, 31 de outubro de 2010

Momento Histórico Brasileiro

A 1ª mulher eleita como presidente no Brasil dará continuidade na busca de valorizar a mulher em uma sociedade machista

Conhecido mundialmente como o Dia das Bruxas e por pouquíssimas pessoas, em nosso próprio país, como o Dia do Saci Pererê, o dia 31/10 (especificamente o de 2010) entrará para a história brasileira como o dia em que o Brasil elegeu uma mulher como presidente.

As mulheres no Brasil e no mundo conquistaram seus direitos tardiamente e em nosso país elas somente puderam votar quando Getúlio Vargas estava à frente do governo.

Em uma sociedade preconceituosa e machista onde as pessoas pensam que mulheres nascem para servir os homens, cuidar da casa e das crianças. Porém, elas se mostraram mais fortes e incrivelmente capazes de trabalhar, estudar e realizar trabalhos que os homens sempre fizeram.

Na vida política elas demomaram ainda mais para ascenderem, mas quando conseguiram, em muitos casos, não passaram vergonha. Só na América do Sul tivemos Michelle Bachelet no Chile, Cristina Kirchner na Argentina (ainda em mandato) e agora Dilma Roussef no Brasil.

Ao invés de criticá-la as mulheres brasileiras deveriam se orgulhar de ter uma representante do seu sexo no mais alto cargo político de um país. Aliás, a sociedade toda deveria saber que se vivemos em uma democracia é porque Dilma lutou contra a ditadura.

Vale lembrar e, mais que isso ressaltar, que ao torcer contra o futuro governo de Dilma o brasileiro não torcerá somente contra os que nela votaram, mas sim contra sí próprio. Pois se algo der certo toda a sociedade ganhará, mas se der errado todos irão perder.

Ai, a Bruxa vem aí...

E não vem sozinha, vem na base do Saci

Pelo título do texto os leitores podem pensar que se trata da possível eleição de Dilma Rousseff como a 1ª presidente (mulher) do Brasil em relação à comemoração do Dia das Bruxas, data importante no calendário estadunidense.

No Brasil existem muitas histórias de folclore como o Curupira, A Mula-sem-Cabeça, Boitatá, Saci-Pererê entre outros. Porém, depois da 2ª Guerra Mundial os Estados Unidos resolveram exportar seu estilo de vida para o mundo.

O conhecido "American Way Of Life" foi inserido no cotidiano de diversos países, inclusive na sociedade brasileira, pois os estadunidenses queriam mostrar ao mundo a diferença de seus valores em relação ao bloco "Comunista" e, também, tentar conter o avanço da esquerda.

Hoje, nas escola brasileiras, o dia 31/10 é lembrado somente como o Halloween e nos cursos de idiomas são realizadas festas (eu mesmo fui em uma na última quinta-feira) como forma de inserir o aluno na cultura estrangeira.

Dia 31/10 para a cultura e folclore brasileiros é o dia do "Saci Pererê", uma figura com somente 01 perna, gorro vermelho e um cachimbo na boca. Ele é negro, gosta de travessuras e de brincar com os animais.

Os governos (municipal, estadual e federal) poderiam divulgar mais o folclore brasileiro ao invés de "americanizar" as crianças e a sociedade. O incentivo, desde criança, a leitura de contos e histórias nacionais modificaria a massa ao longo do tempo.

Por exemplo, atualmente muitas pessoas saberiam que foi Monteiro Lobato (muita gente não sabe) e o Brasil teria uma sociedade mais ativa culta, se é que podemos dizer assim.

Enfim, parabéns ao Saci Pererê!

E a Sujeira Continua

Ao chegar logo cedo (bem cedo, pois antes das 08h eu estava na fila) para exercer o direito da democracia e escolher um candidato para comandar o Brasil pelos próximos 04 anos me deparei com inúmeros panfletos na porta da escola.

Tal fato foi relatado por esse mesmo blog no primeiro turno das eleições, no dia 03/10, através do texto "Boca de Urna: Além de crime polui a cidade". Já era de se esperar que a poluição continuaria na dia do pleito, porém, o que me intrigou foi o fato de ser panfletos de um candidato só.

Uma grande quantidade de folhetos estavam jogados no chão e os rostos de Dilma Rousseff e do presidente Lula estavam em todos eles. Eram 02 tipos diferentes e ambos da campanha petista.

Para quem quer governar o Brasil e tirar a sujeira que existe como corrupção os petistas e sua coligação começaram mal. Ainda não se sabe se irão vencer, porém, de acordo com as pesquisas, a vantagem é grande.

No caso dos tucanos existe um elogio aqui. Pelo menos na escola onde votei não havia nada vinculado à sua campanha. Parabéns Serra! Para quem foi sujo durante todo o período eleitoral pode-se afirmar que no finalzinho tem algo de limpo.

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Semana decisiva para os "Brazucas" e para os "Hermanos"

A América do Sul, mas especificamente Brasil e Argentina, vive clima de decisão. Porém não falamos de futebol e sim de momento político

A semana é decisiva para os brasileiros e não porque o campeonato nacional está embolado no topo e, também, no final. Mas sim porque o 2º turno das eleições será no próximo domingo e o povo decidirá quem ficará no comando entre 2011 e 2014 (ano da Copa do Mundo no Brasil).

As campanhas eleitorais apelaram ao máximo para a vida pessoal, corrupção e na religião para conseguirem votos se elegerem ao planalto. Mais uma vez citamos que ambos os candidatos não divulgaram os planos de governo. Portanto, ao invés irem aos debates poderiam ter montado um ringue para saber quem está mais apto ao cargo.

Na Argentina o governo Kirchner vive problemas com a mídia impressa e, em alguns casos, chegou a sofrer a pressão do povo.

Néstor Kirchner (1950-2010) foi presidente do país e seu governo foi bem avaliado pela população. Sua esposa, Cristina, decidiu se candidatar para o cargo e apoiada pelo marido chegou ao poder.

Sabemos que a sustentação de seu governo em boa parte se deu em boa parte pela influencia política de Néstor, que faleceu ontem (27/10), e ainda restam dúvidas em como será o futuro da nação.

Acredita-se que o apoio recebido por Cristina pode ser perdido e seu governo seja enfraquecido. A governabilidade do país seria prejudicada e a política ficaria instável.

Tanto no Brasil quanto na Argentina o futuro segue incerto e, caso Dilma seja eleita a oposição cairá com ferro e fogo em cima dela. Já para Cristina o tombo pode ser maior porque além da dor de perder o marido ela sofrerá grande pressão de seus opositores.

terça-feira, 26 de outubro de 2010

Greve: um direito conquistado

A sociedade brasileira ainda não sabe o poder da mobilização social na busca de direitos

Na última semana os diários e os jornais de TV que os trabalhadores na França realizaram um greve contra as reformas governistas em relação a aposentadoria. Eles pretendem aumentar a idade limite de 60 para 62 anos e, no caso do benefício integral, de 65 para 67.

Aeroportos, estaçãos de trem, transportes de ônibus e professores aderiram ao movimento e parte do país foi paralisado. Os estudantes entraram em conflito com a polícia francesa pelo mesmo motivo. Afinal de contas, seus futuros serão comprometidos com a alteração.

No Brasil o direito de fazer greve está garantido pela Constituição, porém é algo que nem todas as classes trabalhadores utilizam por se sentirem coagidas diante dos patrões e, em muitos casos, dos sindicatos que não defendem quem realmente deveriam.

Em São Paulo, quando há greve dos transportes públicos como ônibus, trens, metrô e professores (claro que não ocorrem simultâneamente como na França e Grécia) a população esbraveja e reclama porque terão problemas pessoais para chegar ao trabalho.

Devemos concordar a paralisação afeta milhares de pessoas, mas em muitos casos o trabalhador tem medo de chegar atrasado no trabalho e receber reclamações dos chefes. Que nunca escutou do patrâo que se o metrô está de greve que vá de ônibus? Ou que se não tem professor na escola deixe o filho com o vizinho ou algum parente próximo?

No Brasil, ao final da década de 90 o governo F.H.C. realizou uma alteração onde o trabalhador se aposentaria de acordo com a idade e não mais por tempo de serviço. Na época a sociedade não gostou da mudança, mas paralisações e greves não ocorreram e o caso ficou por isso mesmo.

As respostas para a inanição podem ser as sequintes:

1) A sociedade brasileira é manipulável e não acompanha os fatos como deveria;
2) Os jornais, que sempre apoiaram governos liberais e neo-liberais, não relataram a alteração como deveria;
3) O povo tinha idéia do que ocorreu, porém não se mobilizou por não acreditar em mudanças;
4) O povo sabia o que poderia acontecer, porém greves e paralisações poderiam fazer com que os trabalhadores se sentissem coagidos diante dos seus patrões futuramente;

Pode-se dizer que um pouco de cada compremete para que a sociedade brasileira conquiste mais direitos trabalhistas, mas o fato de sentir-se preso aos chefes impede de fato uma mobilização.

Em pleno século XXI a sociedade brasileira parece reviver a época escravocrata, onde deve trabalhar (em muitos casos sem ter horário para entrar e sair) para somente ter moradia e refeição.

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Clássicos no Futebol

A rivalidade no futebol não está somente nas diferenças das camisas. Política e religião vivem no dia-a-dia das torcidas

A rodada do final de semana do campeonato Brasileiro teve inúmeros clássicos e movimentou as mais fanáticas torcidas pelos estádios.

Corinthians e Palmeiras em São Paulo, Grêmio e Internacional no Sul, Vasco e Flamengo no Rio de Janeiro e, pela Série B, Coritiba e Paraná (esses são somentes alguns exemplos) balançaram as redes e levou emoção em todos os cantos do Brasil.

Por mais fervorosos que são esses jogos e as rivalidades os agitem antes, durante e depois dos jogos, creio que as diferenças entre os times e torcidas sejam somente no futebol e não como em outros países onde religião e política fazem parte do contexto.

Na Sérvia, que já foi Iugoslávia e Sérvia e Montenegro, o jogo entre Partizan Belgrado e Estrela Vermelha mexe com os nervos dos torcedores e na Escócia Celtic e Rangens afloram sentimentos similares.

Na Sérvia os clubes foram fundados ao final da Segunda Guerra Mundial e o Estrela Vermelha era apoiado pelos comunistas enquanto o Partizan pelo exército. Aliás, no leste europeu do pós-guerra era evidente a existência de direita e esquerda na disputa pelo governo.

A rivalidade ultrapassa os gramados em uma dimensão tão grande que somente há pouco tempo um time contratou um jogador que havia atuado no rival.  O brasileiro Cléo e o atual goleiro da seleção sérvia jogaram no Estrela Vermelha e agora estão no Partizan. Ambos sofreram ameaças da torcida e tiveram que tomar precauções para andar pela cidade.

Diferenças religiosas também interferem na rivalidade dos clubes europeus

Na Escócia o clássico entre Celtic e Rangens mexe com a fé da sociedade, pois os verdes foram fundados por um padre irlandês o as azuis por protestantes, que até o final da década de 80 se recusavam a contratar um jogador católico para defender sua camisa.

Na Escócia e, principalmente na Irlanda, a diferença entre religiões gerou inúmeros conflitos e mortes. Até os dias atuais existem bairros de maioria católica ou de protestantes. Porém, durante a década de 90 uns não podiam passar pela área dos outros que sofriam agressões.

Ambos os lados chegaram em um acordo de paz, porém as diversidades permanecem no futebol e, assim como na antiga Iugoslávia, somente há pouco tempo um clube realizou a contratação de um jogador que havia passado pelo rival.

O futebol, assim como qualquer esporte, deveria servir para fazer a integração dos povos e unir pessoas de diferentes crenças, línguas e raças. Porém, no século XXI o mundo ainda não conseguiu superar as divergências e, com isso, agressões e mortes ocorrem em algo que deveria servir como diversão para a família.

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

TV de Qualidade no Brasil parece UTOPIA

As emissoras nacionais cada vez menos se preocupam com a qualidade da programação e, quando acontece, os horários não são acessíveis aos telespectadores

A TV brasileira está cada vez mais com programações que visam somente o entretenimento das pessoas e com pouquíssima qualidade reflexiva sobre os temas do dia-a-dia.

Claro que após um longo dia de trabalho as pessoas almejam assistir algo que as façam relaxar. Porém, a programação existente com Busão do Brasil, A Fazenda 3,  Super Pop e, logo mais o BBB sei lá que número torna expectador um mero fantoche em frente à televisão.

Mas não vmaos deixar a discussão somente na programação das próprias emissoras. Os filmes exibidos são "hollywoodianos" em geral e não fornece informação alguma de qualidade.

As emissoras "Canal Futura" e "TV Cultura" são as que têm a melhor programação e qualidade nos produtos oferecidos.Em relação aos 02 canais citados se sabia que a programação é mais cultural e informativa. Porém, ainda sim existem críticas a ser feitas.

Os melhores programas, filmes e documentários são exibidos à noite. Mas não à noite em um horário em que os trabalhadores possam assistir sem que seu sono seja prejudicado. Afinal de contas, grande parte dos brasileiros acordam no máximo às 06 da manhã para iniciar a jornada de trabalho.

Filmes e documentários sobre o Nazismo, Segunda Guerra Mundial, escola francesa para imigrantes de diversas origens e o próprio cinema brasileira são exibidos às partir das 23h30m e terminam por volta de 01 da manhã. Dessa forma as pessoas não têm condições de assistirem uma programação informativa e de qualidade.

Fica claro que os canais mais badalados como "Globo" e "Record" não têm intenção de inserir e produtos de qualidades e as emissoras citadas acima quando exibem são em horários alternativos.

Claro que futebol e uma novelinha de vez em quando é sempre bom. Mas conteúdo qualitativo para a sociedade seria melhor ainda para o futuro e o desenvolvimento da nação.

terça-feira, 19 de outubro de 2010

Educação Como Um Negócio

O ensino às crianças e jovens passou de investimento no futuro do país para um negócio que gera lucro no presente

As escolas públicas em São Paulo e, também, no Brasil em geral não oferecem um ensino à altura do que os jovens realmente necessitam para conseguirem ser destaques no mercado de trabalho e, ao mesmo tempo, serem críticos do sistema.

No estado de São Paulo, com a "aprovação automática", muitos alunos passam para a próxima série sem saber ler e escrever direito. Aliás, na maioria dos casos eles quase não conseguem interpretar um simples texto.

Certa vez, para São Paulo, pensaram no método de bonificação para o professor que tiver o aluno/turma com as melhores notas. Isso foi abolido pois a escola poderia não fornecer ao estudante um grau de dificuldade alavancado nas provas.

Mas acreditem que isso não é somente um mérito do Brasil. Esse sistema foi implantado nos Estados Únidos e muitas críticas apareceram por lá. Os estados têm autonomia para aplicar as provas e as matérias de acordo com o que acreditam ser melhor e, dessa forma, o nível de ensino estagnou.

Caso a escola não cumpra metas estabelecidas pelo governo ela recebe penalidades e pode ser até fechada e os profisisonais demitidos. Dessa forma o ensino é assumido por uma insituição privada, que recebe verba do governo, para ensinar os jovens.
Essa privatização não se mostrou muito eficiente porque não houve uma evolução na qualidade da educação. O que se faz, atualmente, é treinar os alunos para os exames nacionais e as demais matérias são jogadas para um plano secundário.

Assim, os professores garantem seus empregos porque os alunos conseguirão boas notas no exame nacional que mensura o nível do ensino.

Como vemos, a privatização do ensino e a aplicação de bonificação para os professores não alavancará a qualidade do ensino. Apenas fará do aluno um fantoche para que os educadores (não todos é claro) não percam seus empregos e, em consequência disso, aumentem seus rendimentos.

Afinal, como todos sabem, o salário de professor no Brasil é uma vergonha.

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Tragédia Chilena Serve de Show para a Mídia

O drama de 33 mineiros não serve para abrir uma discussão sobre a prevenção de acidentes

Passados 68 dias de enclausuramente dentro da mina e contato externos, os mineiros são resgatados em um amplo e belo trabalho realizado pelo governo chileno.

Enfim poderão ver suas famílias, amigos, caminhar pelas ruas e voltarem à rotina normal como antigamente. Mas antes de recupareram suas vidas sociais terão de lidar com a grande quantidade de jornalistas que querem saber suas histórias e, também, receberão tratamentos para se adaptarem novamente ao convívio fora da mina.

O resgate dos 33 homens (32 chilenos e 01 boliviano) é acompanhado pelo mundo todo através de rádios, jornais, sites e TV's, essa última praticamente noticia os fatos durante as 24 horas do dia.

As imagens e notícias do regaste são fantásticas e comovem a qualquer um o reencontro dos mineiros com os familiares. A mídia está presente passo-a-passo e detalha a técnica de salvamento (nunca utilizada antes) chilena para retirá-los da mina.

Porém, o que falta divulgar e que o mundo espera saber são as medidas a ser tomadas para que tal tragédia não ocorra novamente. Que medidas o governo pretende tomar? Quais ações serão realizadas pelas empresas? Quem será responsabilizado pelos danos? Quais serão as precauções para o futuro?

Essas perguntas ainda não foram respondidas e a mídia parece não querer levar essa discussão à frente. No momento, o que importa é somente vender jornais e conseguir patrocínios para as emissoras de TV ao noticiarem o resgate.

É mais fácil ganhar dinheiro às custas da tragédias dos outros do que levantar questões para prevenir problemas futuros. Infelizmente, para a mídia, o que é ruim vende e gera lucro e o que melhora fica para depois. Talvez amanhã, quem sabe...

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

Para conseguir votos os candidatos apelam para o lado religioso e esquecem o social

A religião tomou conta da diretriz das campanhas e os projetos foram deixados de lado novamente

Os presidenciáveis Dilma Rousseff e José Serra demonstram aos eleitores, mais uma vez, que os projetos para o futuro da nação são algo para segundo plano em suas campanhas.

Na intenção de conseguir votos para se elegerem ambos os candidatos apelam para o lado religioso da sociedade. O aborto entrou em pauta e os valores cristãos são exibidos e declarados de forma explícitas em suas campanhas.

Ao enfatizarem os valores cristãos para obterem os votos de católicos e dos evangélicos as campanhas se esquecem que no Brasil existem grupos de pessoas que praticam outras religiões. Há hindus, judeus, muçulmanos, espíritas, praticantes de religiões africanas etc.

Vivemos em um estado laico e o governo/sociedade não pode discriminar pessoas por sua cor, ideologia política e religião. Porém, ao analisar as campanhas é possível diagnosticar que parte do povo é deixado de lado na corrida pela presidêncial.

O que de fato deveria ser debatido são propostas de como melhorar a saúde, educação, infra-estrutura, economia, geração de empregos e investimentos. Ataques de um candidato contra  o outro não enriquecem em nada para o eleitorado.

O discurso de amor à vida e que são contra o aborto é muito bonito, porém, existem diversas situações para que uma mulher tenha o direito de interromper a gravidez. Essa situação sim deveria ser discutida e não o assunto de forma genérica.

Enquanto as campanhas focarem em ataques e em temas específicas com mescla de religião para angariar votos a sociedade só tem a perder, pois o que de fato têm importância ficara para ser discutido já no planalto, com alguém no poder.

sexta-feira, 8 de outubro de 2010

Brasileiro não é Brasileiro em Época de Eleição

O que o futebol une a política destrói

Conforme vemos na TV, internet e emeios (não está errado, pois escrevo assim mesmo) a campanha contra o PT está cada vez mais forte. Até agora não há novidade alguma e provavelmente muitos já esperavam isso.

Muitos pessoas que votam no PT devem escutar que se a Dilma for eleita o Brasil terá uma terrorista no comando ou que vão dar risada da sua cara quando escândalos e corrupções forem descobertos.

Não vou entrar no mérito do passado da candidata, mas sim na atitude das pessoas em querer colocar a culpa no amigo que votará no PT caso algo de ruim ocorra com a sociedade brasileira.

Estamos em uma democracia e todos têm seu direito de escolha, mas pessoas dizerem que darão risada de quem votou chega a ser um absurdo. Os eleitores "não-petistas" parecem que torcem para o Brasil não dar certo caso a Dilma seja eleita.

Essas pessoas parecem não perceber que se o governo não for bom (seja ele de direita, esquerda, liberal e por aí vai) praticamente toda a sociedade sofrerá. Pode-se não gostar de fulano ou pensar que o beltrano é melhor. Porém, se o candidtato eleito não for aquele que escolheu para quê torcer contra?

No futebol, em momentos de Copa do Mundo, todos são técnicos e torcedores fanáticos do Brasil. Ou alguém deixa de torcer porque o zagueiro é do time rival? Na política muitos eleitores pensam ser analistas políticos. Porém, falta lembrar que, independente de quem governa, todos são brasileiros e vivem sob as mesmas políticas.

Não precisa apoiar quem chega, mas torcer contra um político antes mesmo de ser eleito é o mesmo que torcer contra si mesmo.

Observação: O intuito do blog não é fazer campanha para um ou para outro, mas sim levantar discussões para que os leitores reflitam sobre situações ocorridas na sociedade.

domingo, 3 de outubro de 2010

E mais uma vez...

A educação no estado de São Paulo não irá mudar pelos próximos 04 anos

O PSDB (Partido da Social Democracia Brasileira) está no poder do estado há 16 anos e ficará ao menos até 2014, quando ocorrerá uma nova eleição para governador.

Com a eleição de Geraldo Alckmin tudo indica que o modo de governar não será alterado e, portanto, a política do partido permanecerá na mesma linha.

Como todos sabem o sistema educacional do estado de São Paulo tem o método de aprovação automática, ou seja, o aluno não precisa aprender e seguirá para a série seguinte.

Os governos de direito, como o do PSDB, não têm intenção de que a população tenha acesso à cultura e informação de qualidade. Dessa forma não terão condições de avaliar e julgar os feitos dos políticos.

Pelo resultado da eleição para governador essa tática tem dado certo. Pois cada vez mais o quesito "educação" é criticado e o povo não consegue eleger um outro canditado que não seja tucano.

Serão mais 04 anos de ociosidade em investimentos nessa área e, no final de 2014, eles estarão lá para se reelegerem e continuarem a hegemonia em São Paulo. É uma pena!

Boca de Urna: Além de crime polui a cidade

Proibida no dia das eleições, a entrega de panfletos com nomes dos candidatos poluem as ruas

Antes do início da votação, às 08h, passei ao menos por 04 escolas e não encontrei uma pessoa sequer na realização de boca de urna. Porém, após o começo da eleição foi possível constatar uma movimentação em 01 local.

O que mais me deixou curioso foi o fato de todas as escola por onde passei estaram com suas calçadas cheias de panfletos de candidatos. As ruas estavam (e ainda estão) todas lotadas de papéis.

Caso venha uma chuva, o que não é difícil aqui em São Paulo, os panfletos podem ser facilmente carregado aos bueiros. Dessa forma poderemos ter esgotos entupidos e, consequentemente, mais problemas para quem utiliza as ruas.

Como não vi boca de urna antes do início da votação acredito que pessoas passaram pelos locais e fizeram "chuva de papel". Boca de urna é crime certo? Jogar panfletos de nas vias da cidade e poluí-la não?

Vale a pena checar quais candidatos estão nos panfletos e, se tivermos consciência, não votar nessas pessoas. Porque se para ser eleito vale a pena poluir a cidade, imaginem o que farão para continuarem no poder caso sejam eleitos.