terça-feira, 26 de junho de 2012

Projeto Paraguai: Golpe em Lugo

Frederico Franco e seus comparsas estão no poder, mas parecem não ter pensado nos problemas podem vir

Por Thiago Marcondes

Eleito democraticamente pelo povo em 2008 para ser presidente do Paraguai, Fernando Lugo foi destituído do cargono último dia 22 após um processo relâmpago de impeachment que durou cerca de 30 horas, período em que ele não pôde se defender.

A situação política no país vizinho sempre foi conturbada, pois o partido Colorado, que sempre esteve no poder, se opunha a eleição de Lugo já que ele sempre fez oposição aos governos anteriores a 2008.

A máquina estatal sempre foi um importante aparato para quem está no poder conseguiur se perpetuar e eleger os candidatos do seu partido e, nos últimos tempos, o partido Colorado parece ter orquestrado um plano para tê-lo novamente ao seu lado.

Os oposicionistas parecem ter planejado muito bem a retirada de Lugo no poder, pois parte do povo não apoiava seu governo por conta das manifestações dos sem-terra paraguaios que ocuparam fazendas de brasiguaios, os casos de filhos descobertos durante seu mandato (Lugo teve casos enquanto era bispo da igreja católica) e a suposta falta de diálogo político com partidos aliados que participaram da campanha em 2008.

O partido Colorado planejou bem o golpe, já que faltam apenas 09 meses para as próximas eleições presidenciais e agora, com o poder em suas mãos, poderá usar a máquina estatal em benefício próprio para eleger seu canditado em 2013. Eles aproveitaram as mortes de sem-terras e políciais em confronto para dar um ultimato em Lugo e retomarem o controle político do país.

Os setores mais consevadores e a igreja estão ao lado dos golpistas, que foram suspensos da UNASUL e do MERCOSUL porque os demais países não considerem o governo de Frederico Franco como legítimo. Até o momento somente França, Espanha e o Vaticano reconhecem o novo presidente do Paraguai.

O projeto de golpe em Lugo deu certo, pois parece que todos os passos foram definidos e o prazo para a retomada do poder cumprido. Porém devem ter esquecido de mensurar os riscos e agora o povo paraguaio pode ser penalizado economicamente. A Venezuela cancelou o envio de petróleo e o Mercosul ainda pensa em sansões nos acordos.

Para quem quiser acompanhar mais notícias sobre a resistência paraguaia ao golpe de estado pode acessar o sítio "Paraguay Resiste", que está em espanhol.

Thiago Marcondes é Jornalista

terça-feira, 19 de junho de 2012

Maluf: (INFELIZMENTE) ele é o cara

Alianças políticas cada vez mais contestáveis são feitas e o povo sofre as consequências durante a gestão

Por Thiago Marcondes

A política em São Paulo sempre tem algumas situações inusitadas e mexem com o cenário das candidaturas à prefeitura

No começo do ano o atual prefeito da cidade, Gilberto Kassab, anunciou apoio ao candidato do P.T. através de seu novo partido, o PSB. Mas como seu padrinho político José Serra decidiu concorrer ao cargo de prefeito ele mudou de ideia e abandonou o barco.

Agora o atual deputado federal Paulo Maluf anunciou em sua casa, na presença de Lula de Fernando Haddad, o apoio ao candidato do P.T. Citou que ama São Paulo e como viu isso em Haddad decidiu apoiá-lo. Porém, ele flertava também com o rival PSDB que almeja maior tempo na TV e, assim como Kassab, desisitiu na última hora.

Maluf é procurado pela Interpol por crimes financeiros e sequer pode ir ao Paraguai já que seria preso ao sair do Brasil. Seu histórico de falcatruas e frases célebres como "Estupra, mas não mata!" parece não fazer a menor diferença no momento de fazer uma aliança político-partidária.

O povo, por sua vez, é quem decide qual político tomará conta da cidade nos próximos 04 anos de gestão e ao apoiar candidatos com alianças sujas e grotescas apenas validam que o sujeito está apto para administrar uma cidade como São Paulo.

Luíza Erundina, ex-prefeita de São Paulo, foi anunciada como vice-prefeita de Haddad por ter Maluf como desafeto poderia ter desistido de participar da campanha. Mas, como a politicagem fala mais alto, ela permanecerá ao lado do PT sem que sua imagem seja vinculado ao do Sr. Paulo Maluf que, por tudo que já fez só pode ser chamado (infelizmente!) de "O CARA"!.

Thiago Marcondes é Jornalista

segunda-feira, 11 de junho de 2012

Aconteceu em 11 de junho

Fatos históricos que marcaram o mundo e seus acontecimentos

Por Thiago Marcondes

À partir de hoje, todos os meses o blog escolherá um dia qualquer do mês para postar alguns fatos marcantes ocorridos em anos anteriores e, também, fará um breve comentário de alguns casos e situações.

1429 - Começa a batalha de Jargeau na Guerra dos Cem Anos, mas que durou 116 e foi entre 1337 e 1453, onde franceses e ingleses disputavam poderes econômicos e territoriais.

1496 - Critóvão Colombo retornar à Cadiz, cidade espanhola, após sua segunda viagem à América.

1580 - Juan de Garay funda a cidade de Buenos Aires, capital da Argentina e atualmente um dos destinos mais visitados pelos turistas brasileiros.

1666 - Inglaterra e Holanda se enfrentaram na batalha de barco a vela mais longa da história, conhecida como "Batalha de Quatro Dias". Anos depois ambas nações disputariam o poder pela África do Sul.

1865 - Na Guerra do Paraguai, umas das mais perversas do continente, o Brasil vence a Batalha Naval do Riachuelo.

1951 - Portugal promulga uma lei que converte em territórios ultramarinos as colônias, mas assim não impede que a exploração e a miséria permaneçam sob o povo dominado.

1987 - Margareth Thatcher inicia seu terneiro mandato no Reino Unido e dá continuidade em suas políticas liberais.

1996 - Explode o Osasco Plaza Shopping. Saldo da tragédia: 42 mortos e 372 vítimas. "Três anos depois do acidente, a Justiça de São Paulo condenou cinco pessoas pela explosão: o diretor comercial do shopping e quatro engenheiros. Todos foram absolvidos em 2005 pelo Tribunal de Justiça de São Paulo, por falta de provas. O shopping só indenizou as vítimas depois de ter recorrido até ao Superior Tribunal de Justiça (STJ)", de acordo com o jornal O Estado de São Paulo.

2001 - Timothy McVeigh executado pela explosão de um prédio em Oklahoma City em 1995. O atentado deixou mais de 160 mortos e na época cogitou-se (fortemente) que o ataque foi proveniente da Al-Qaeda.

2009 - A Organização Mundial de Saúde elevou para nível 6 a pandemia da Gripe A, que matou inúmeras pessoas ao redor do mundo. A pandemia estava decretada.

2010 - Começa a Copa do Mundo na África do Sul, onde a Espanha se consagraria campeã pela primeira vez. Foi um belo campeonato apesar da corrupção e das exigências da F.I.F.A. que pensou somente em lucrar, lucrar e lucrar.

Thiago Marcondes é Jornalista

sábado, 2 de junho de 2012

Arrastões ou assaltos? Depende da região é claro

O crime pode ser o mesmo, mas o nome dado depende do bairro onde ocorreu

Por Thiago Marcondes

Nos últimos meses a mídia tem noticiado com certa frequência que bandidos invadem restaurantes, bares e/ou pizzarias para assaltar o estabelecimento e os frequentadores do local.

Geralmente as ações são rápidas e os bandidos não ficam mais que 10 minutos no estabelecimento. Eles levam o dinheiro arrecadado pela casa e dos clientes, além de celulares, relógios, jóias e, às vezes, carros para auxliar durante a fuga.

Este tipo de crime é chamado de arrastão, nome popularizado na década de 90 nas praias do Rio de Janeiro, onde os banhinstas eram assaltados na areia da praia por ínumeras pessoas que corriam e pegavam seus pertences.

Somente nesta semana 02 restaurantes em Higienópolis, região rica à oeste da cidade de São Paulo, sofreram com o problema e as ações foram sempre próximas do fechamento do estabelecimento, ou seja, o mais tarde possível para que as ruas tenham menos pessoas que possam, eventualmente, acionar a polícia.

Os crimes noticiados pela mídia ocorrem quase sempre em bairros de classe média-alta, ou classe-alta, com consumidores de grande poder aquisitivo. Situações assim não eram comuns, pelo menos não nos jornais, mas assustam a população que tende a ficar em casa com medo de que algo aconteça. Os donos dos estabelecimentos reforçam a segurança, mas ainda assim viram a queda na clientela.

Nas periferias de São Paulo e de outras cidades crimes assim também acontecem. Quem mora em regiões mais afastadas sempre escuta que a padaria, lanchonete, o mercadinho ou o bar foi assaltado e, os clientes, também tiveram seus pertences levados pelos assaltantes. Quando isso ocorre é qualificado de assalto e não vira notícia na internet porque não são empresários, ricos e endinheirados, que sofrem as consequências.

O povo das periferias sofre com esse tipo de crime e praticamente nada é feito para saná-los, mas no bairro de Higienópolis a polícia reforçará o esquema de segurança, assim como em outros locais, para garantir que nada aconteça. Isso é ótimo e está certo, mas porque não ocorre também nas regiões mais afastadas da cidade?

Não ocorre porque nos bairros nobres crimes assim são "arrastões" e fora deles são "APENAS ASSALTOS".

Thiago Marcondes é Jornalista