quarta-feira, 15 de junho de 2011

Depois de 16 anos justiça condena Edmundo

Lentidão no julgamento de processos coloca o sistema judiciário em descrédito com a sociedade

Por Thiago Marcondes

A justiça, apoiada pela mídia, reascendeu o episódio em que Edmundo, ex-jogador de Palmeiras e Vasco, se envolveu em um acidente de trânsito em 1995 que resultou na morte de 03 pessoas.

O ex-craque, em 1999, havia sido condenado pela morte das pessoas e seus advogados conseguiram recursos para que o cumprimento da pena fosse em regime semi-aberto. Assim, o jogador permaneceu livre até os dias de hoje.

Na noite de ontem, 14/06/2011, a justiça carioca determinou a prisão do atual comentarista esportivo da BAND por considerá-lo culpado em relação ao acidende. Ou seja, ele matou as pessoas, mas sem a intenção de cometer o crime.

A mídia, como sempre, para conseguir audiência não pára de noticiar o assunto e deixa o nome de Edmundo sempre em evidência. Discute-se que o jogador deverá cumprir pena em prisão para pagar pelo que fez. Ótimo, se for culpado é claro. Porém, fatos importantes são deixados de lado no caso e se fossem debatidos pela sociedade as leis e a justiça brasileira poderiam melhorar de forma considerável.

Ações de trânsito geralmente demoram muito tempo para  serem julgados e há casos em que processo prescreve, ou seja, perde a validade e o acusado não pode ser condenado por conta da lentidão do sistema judiciário brasileiro.

Há quem diga que a justiça tarda mas não falha, porém não devemos tratá-la dessa forma. O que foi feito no passado (no caso Edmundo há cerca de 16 anos) já deveria ter sido julgado e o réu, caso condenado, teria cumprido a pena.

As famílias das vítimas convivem com a dor e o sofrimento da perda até hoje e mesmo com a condenação não terão suas feridas cicatrizadas. Além do mais, o fato de ver o responsável pela morte de seus entes queridos solto causa uma sensação de impunidade e a sociedade passa a desacreditar no poder judiciário do país.

O caso do ex-jogador é somente um entre milhares que ocorrem Brasil à fora. Todos esses problemas são reflexos do voto da população que, conscientemente ou não, coloca pessoas no poder sem coragem (ou vontade) de alterar o código penal brasileiro. Enquanto isso temos de nos conformar com a morosidade da justiça enquanto assistimos a novela ou a final da Libertadores.

Thiago Marcondes é Jornalista

Um comentário:

Anônimo disse...

Existe uma lei que é a da ação e reação. A própria natureza se encarrega de aplicá-la. Ninguém fica impune. No caso do Edmundo foi uma fatalidade e aconteceu porque tinha de acontecer.
Ivan