segunda-feira, 7 de junho de 2010

Israel: O Grande Mocinho

Poucos dias após Israel atacar a embarcação turca "Marvi Marmara" e tirar a vida de nove integrantes, que que tentavam furar o bloqueio israelense para levar ajuda humanitária, até a Faixa de Gaza, seu exército atacou e matou quatro palestinos que estavam em um bota

De acordo com a grande mídia brasileira e as agências internacionais, os palestinos mortos eram "terroristas" trajados de roupas de mergulho e que planejavam  um ataque contra Israel e sua população.

O governo israelense e seu exército atuam com barbárie contra uma população isolada do restante do mundo e que enfrentam problemas como desemprego, preconceito e cárcere  (afinal, Israel bloqueou as passagens para Gaza) enquanto o governo estadunidense e a O.N.U. (Organização das Nações Unidas) soltam falas bem amenas em relação aos ataques.


Há quem condene a ação palestina, principalmente a do Hamas (grupo que controla a Faixa da Gaza e rival do Fatah que controla a Cisjordânia), de atirar bombas e manter ataques suicidas em território israelense. Também não sou a favor de atos contra populações cívis, mas acredito que a forma como os palestinos do Hamas atuam é o único jeito de o mundo ouvir e ver a situação de penúria, descaso e esquecimento em que vivem.

Não existe motivo para esticar mais o texto, porém valel embrá-los que Israel negou o pedido da O.N.U. de investigar o ataque ao navio turco e a grande mídia não trata isso com grande relevância. Pois o legal mesmo é dizer que palestinos são terroristas e israelenses se defendem.

2 comentários:

Crikinháh disse...

Confesso que não imaginava outro desfecho...sempre será assim =/

Anônimo disse...

Meu caro Thiago, outro dia escrevi em meu blog um texto que fala desse ataque de Israel. Como sempre a maior parte se cala e uma minoria, comandada pela mente coletiva se desdobra para defender os judeus.
Parabens pela coragem em dizer o que pensa e principalmente o que sente. É de gente assi,. de jornalistas assim que este apís precisa.
Um abraço,
Ivan