terça-feira, 17 de setembro de 2013

Jazz boliviano. Vai encarar?

Estilo musical com instrumentos andinos surpreende pela boa qualidade
 
Por Thiago Marcondes
 
O jazz nasceu por volta do século XX nos Estados Unidos, próximo à região e Nova Orleans, com suas raízes provenientes da música negra americana de pouco antes de 1850.
 
Em uma época onde o preconceito racial era muito forte, o estilo musical serviu para unir e fortalecer as raízes dos negros de forma que ao tocar a música em locais públicos afirmavam suas origens africanas.
 
No início da década de 20 a venda de bebida alcoólica era proibida nos Estados Unidos, situação que não acabou com seu consumo, pois ela era vendida ilegalmente em locais onde bandas de jazz se apresentavam. Isso o gênero musical ser considerado imoral pela sociedade.
 
Atualmente as pessoas que gostam do estilo musical são consideradas "cults" ou da elite, rótulo criado pela sociedade já que o jazz não é (e não foi) difundido nos meios de comunicação de massa. Assim, grande parte da população com acesso somente aos canais abertos (BBB, jornal nacional e novelas) não conhecem a música como algo para o povo, digamos assim. Mas através da música estereótipos podem ser rompidos.
 
Alguém imaginava que existe o "JAZZ BOLIVIANO"? O estilo musical iniciado nos Estados Unidos é tocado na Bolívia com instrumentos tradicionais como saxofone, piano, trompete e trombone misturados com flauta-de-pã e o charango, equipamento parecido (não no som) com o cavaquinho.
 
Takamasa Segi, de origem japonesa, toca jazz com os instrumentos andinos e se apresentou em festivais na Bolívia. Para quem não conhece o trabalho do estilo musical vale conferir no site do youtube alguns vídeos e aproveitar a beleza da música estadunidense, misturada à cultura andina.
 
Callawaya, um grupo de jazz boliviano, faz grande sucesso na região e sua música contagia aqueles que curtem jazz. E, para quem não gosta ou nunca ouviu, vale à pena conferir esse belo trabalho.
 
Thiago Marcondes é pós-graduando em Gestão de Projetos e admirador da cultura andina

Nenhum comentário: